Acelga Hidroponica
Agriao de Hidroponico
Aipo ( Salsao)
Alcachofra
Alecrim
Alface Americana
Alface Lisa
Alface Mimosa
Alface Romana
Alface Roxa
Alface Roxa Hidroponica
Alface Crespa
Alfavaca
Alho Poro
Almeirao Hidroponico
 
Arruda
Bertalha
Beterraba com Rama
Brocolis
Brocolis Americano
Catalunha
Cebolinha Hidroponica
Cenoura com Rama
Cheiro Verde
Chicoria
Chicoria Frisse
Coentro
Couve
Couve de Bruxelas
Couve Flor
Couve Troncha
Dill
Erva Cidreira
Espinafre
Funcho ( Erva Doce )
 
 
Hortela

Dill

Especiaria com folhas de aroma e sabor delicado e fresco e com sementes aromáticas fortes e picantes. Denominada "erva-de-deus" pelos armênios, o endro, ou dill, tem origem asiática e foi introduzido na Europa durante a Antigüidade. É uma das ervas mais antigas e mais conhecidas do Ocidente. 

Utilizado há milhares de anos, as primeiras alusões desta planta foram feitas por egípcios, que a empregavam como planta medicinal. Em escavações em sítios arqueológicos romanos foram encontradas muitas sementes de endro, e os próprios gladiadores usavam muito desta semente em sua alimentação, pois, para os romanos, simbolizava a vitalidade e acreditavam que ela podia aumentar a força física. Era utilizada pelos gregos como erva medicinal, pois possui poderes digestivos e calmantes.

Também foi usada na Idade Média para enfrentar as bruxarias. Os hebreus costumavam pagar o dízimo, sua obrigação religiosa, com o endro; os armênios também usavam com muita freqüência para condimentar seus pratos, sendo característico de sua culinária.

Características da Planta

Planta herbácea de caule fino e oco, pertencente à família Umbeliferae, a mesma da erva-doce (Foeniculum vulgare Miller) com a qual muito se parece e, muitas vezes, é confundido. Entretanto, a semelhança se limita à aparência; além de sabores distintos, o endro é um arbusto de porte mais baixo e de ciclo anual ao contrário da erva-doce que vive mais de dez anos produzindo bem.

Sua altura varia de 20 cm até a 1 metro, dependendo da fertilidade do terreno. Suas folhas têm coloração esverdeada e suas flores são amarelas. Os frutos são pequenos, do tipo denominado diaquênio¹, com sementes marrons quando maduras.

O endro é encontrado vegetando espontaneamente em várias regiões de clima temperado como o Sul da Europa, o Norte da África e Ásia. Atualmente o endro é cultivado em escala comercial em alguns países europeus como Alemanha e Romênia, e, também, no Paquistão, Índia, Japão e Estados Unidos.

O clima ideal para o cultivo do endro é o do tipo mediterrâneo, entretanto é considerada uma planta resistente que tolera e prospera até em certos climas frios desde que o terreno seja voltado para o norte e o solo seja bem drenado. Prefere os solos argilo - arenosos. O solo deve ser fértil e bem permeável, pois o endro não tolera umidade excessiva em torno de suas raízes. Por outro lado, necessita de muita irrigação e se faltar água pode levar a perda de quase toda a produção. O período de amadurecimento das sementes também é um momento bastante crítico, pois uma chuva ou vento mais forte pode derrubar todas as sementes. O terreno deve receber bastante luz.

Sua propagação se dá por sementes podendo ser semeado no local definitivo ou de preferência em sementeiras, para o obtenção prévia de mudas a serem transplantadas para o local definitivo. O endro pode ser semeado no outono ou na primavera.

Época de plantação: entre fevereiro e março. Caso o objetivo do cultivo seja a produção de semente, o plantio não pode ir além do final de abril.

Distância de plantação: em fileiras, a 25 centímetros de distância uma da outras, pressionando as sementes contra o solo, com uma tábua.

Germinação: aos 14 ou 21 dias. Tem um crescimento rápido.

A colheita deve ser da mesma forma que outras plantas aromáticas da família Umbelífera. Colhem-se as umbelas (inflorescências) que começaram a amadurecer, e leva-se para a secagem. Se passar da hora, ou seja, se esperar todas as sementes ficarem secas, além de perder aroma pela volatilização dos óleos, no momento de se cortar o ramo que prende a umbela na planta as sementes irão se desprender e cair ao chão.

Para plantar em casa

O endro gosta de muito sol, mas precisa ficar protegido do vento. Seu cultivo é fácil, a partir de sementes, que devem ser plantadas a 0,5 cm de profundidade. Quando as mudinhas atingirem uns 5 cm, arranque as que estão muito próximas, deixando pelo menos 20 cm de espaço entre cada uma. As plantinhas removidas podem ser plantadas em outro vaso.

É bastante susceptível ao ataque de pulgões. Para evitar a multiplicação desses insetos, retire e destrua as partes da erva atacada. Não plante o dill próximo ao funcho (erva-doce), pois as duas espécies se cruzam, dando origem a plantas sem uso específico. Deixe-o sempre em lugares iluminados.

Partes Usadas

Flores, folhas e sementes.

Utilização

A parte mais valorizada são as sementes, que produzem um óleo de excelente qualidade, de odor agradável e característico. Já as folhas, às vezes, são utilizadas para a extração de óleo, mas este é de qualidade inferior, e não tão agradável assim. Como condimento a preferência também é pelas sementes, mas alguns pratos utilizam o aneto fresco como decoração. Para fins medicinais pode-se utilizar a planta toda.

O princípio ativo mais valorizado são os óleos essenciais, lembrando que óleo essencial é uma mistura de dezenas de substâncias químicas. Também encontra-se a presença de substâncias nitrogenadas, resinas, muscilagens e taninos, que são substâncias comuns em quase todos os vegetais

Uso na culinária

Na cozinha, o endro é apreciado tanto pelas suas sementes como pelas suas folhas e cada uma delas tem o seu próprio e distinto sabor. As sementes possuem um odor agradável e forte, fresco e picante. O sabor é quente. As folhas são anisadas sem o sabor queimado das sementes. As folhas secas perdem um pouco o aroma.

Devido ao aroma e sabor delicado de suas folhas, é indicado para comidas pouco temperadas. Pode ser usado em dietas com exclusão do sal como seu substituto pois é muito rico em sais minerais.

As folhinhas frescas são ótimas para condimentar queijos, ricota, molho branco, carnes grelhadas, peixes como o salmão e o arenque, saladas, ovos, cremes tipo maionese ou manteiga ou patês, arroz ou massa e sopas, Seu aroma e sabor são melhor aproveitados, quando esta erva é acrescentada ao final do cozimento.

As sementes usam-se em pickles, conservas, vinagres aromáticos, bolos, pães, carnes e legumes cozidos, principalmente repolho, beterraba e couve-flor. Também faz parte dos ingredientes do molho curry.


Pouco conhecido no Brasil, o endro é chamado de dill nos países de língua inglesa, e é um condimento essencial na culinária do Norte da Europa, principalmente na Noruega e Suécia. Nestes países, o endro está como o orégano para o italiano. Difícil imaginar um salmão sem ele, tanto as folhas frescas quanto as sementes secas.

Forma de venda: Folhas frescas e secas e sementes.

Como escolher e onde encontrar
Fresco: maços e vasinhos de endro fresco são encontrados em feiras, mercados e supermercados. Escolha os ramos com as folhas mais viçosas e que não estejam manchadas nem murchas.
Seco e Sementes: encontrado em supermercados e empórios. Verifique o prazo de validade.

Como Conservar

Fresco - lave suas folhas e seque-as cuidadosamente com toalha de papel, depois guarde-as na geladeira, por alguns dias em recipiente fechado ou sacos plásticos próprios para alimentos.
Seco e Sementes - Conserve-o em vidro fechado ( de preferência escuro), em local protegido da umidade e luminosidade.

Uso Geral

Além de ser apreciado como condimento, o endro também é usado na perfumaria, para aromatizar sabonetes e, na cosmética, tem a propriedade de clarear a pele, fortalecer as unhas e perfumar o hálito. Saches com a flor, colocados em armários ou gavetas, espanta as traças.

Uso Medicinal

Diurético, combate cólicas e a hiperacidez gástrica. Age, também, contra a insônia. É um dos principais remédios naturais contra a flatulência. Nas inflamações do olho, recomendam-se compressas do chá das sementes.

Aplicações

Pode ser usado para as cólicas intestinais dos recém-nascidos nas más digestões, gases, hiper-acidez, espasmos e soluços. Descrita para aumentar o leite de parturientes, nas cólicas menstruais, e ainda na limpeza de feridas, queimaduras, úlceras dérmicas e resfriados.

Contra-indicações/cuidados: contra-indicado o uso interno ou externo de óleo essencial durante a gravidez, lactância, em crianças e em doenças neurológicas. Pode dar fotodermatite e, em doses elevadas, é convulsivo.

Receitas Medicinais Caseiras:

Soluço - Decocção de 5’ de uma colher de café de sementes em 250 ml de água e tomar com sumo de limão.
Lactação e gases - Decocção de 2 colheres de café de sementes em 250ml e ir tomando uma xícara antes da amamentação.
Resfriado - Ferver durante 5’ ¼ de vinho com 1 colher de café de sementes de endro com um pau de canela e uma colher de café de eucalipto. Deixar abafar mais 5’ e tomar.
Inflamações oculares - Fazer compressas mornas com a infusão das sementes, na proporção de 5-10 gr para um litro de água.
Parasitas do couro cabeludo - usar uma infusão das flores.
Furúnculos - Ferver 10 gr de sementes em azeite e aplicar ainda quente, para amadurecer e aliviar a dor dos furúnculos.